Barcelos: Estudantes do IPCA vão adaptar brinquedos às necessidades de crianças com deficiência

AvatarRedação , 1 de dezembro, 2021

IPCA

A adaptação de brinquedos para utilização por crianças com deficiência motora e/ou cognitiva e a reparação de brinquedos antigos ou novos para doação são dois dos principais objetivos da iniciativa Oficina do Brinquedo que arranca, no dia 18 de dezembro, na Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), em Barcelos, no âmbito das comemorações do aniversário da instituição.

A ideia de retomar este projeto do IPCA partiu de João Fernandes, estudante do 3º ano do curso de licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, que decidiu levá-lo ainda mais longe, reforçando o impacto social da iniciativa. 

Segundo explica, além da adaptação e reparação de brinquedos, a Oficina vai envolver “uma campanha para angariação de brinquedos novos e antigos, a elaboração de controladores de videojogos para pessoas com deficiência motora e/ou cognitiva e a criação de controladores de computador para pessoas com incapacidade”. 

De forma a fazer renascer o projeto Oficina do Brinquedo, João Fernandes reativou uma parceria com a Associação de Pais e Amigos de Crianças (APAC) de Barcelos, depois de perceber que “há muitas crianças com deficiência que necessitam de brinquedos adaptados, mas eles ou não existem no mercado, ou são muito caros”. 

Esta nova fase do projeto conta, ainda, com o envolvimento de outros parceiros, entre os quais a Associação de Solidariedade e Ação Social (ASAS) de Santo Tirso. Neste âmbito, no próximo dia 18, no corredor da Escola Superior de Tecnologia do IPCA, um grupo de jovens da ASAS vai juntar-se a 20 estudantes do IPCA, numa ação que visa proporcionar a experiência da Engenharia Eletrotécnica e o Ensino Superior. 

“O alargamento da Oficina do Brinquedo à dimensão do ensino da eletrónica e da reparação aos jovens da ASAS visa responder a uma necessidade que detetamos: capacitar os jovens com dificuldades socioeconómicas, que são um pouco esquecidos pela sociedade devido a já não serem crianças, e mostrar-lhes que a sociedade também se importa com eles”, explica João Fernandes. 

O grupo de jovens da ASAS vai assim aprender conhecimentos básicos das componentes técnicas da eletrónica, adquirindo competências que lhes permitirão fazer a manutenção e o conserto de brinquedos dos colegas mais novos. Por outro lado, acredita João Fernandes, estes conhecimentos poderão abrir-lhes a porta de um emprego futuro. 


Também pode gostar