Esposende: Cão ataca pai e filha de dois anos nos "Desamparados"

AvatarFilipe Oitavem, 13 de abril, 2022

ataque cao palmeira 1

Um homem diz-se ter sido vítima de ataque de um cão, hoje à tarde em Esposende, quando fazia passeio em Palmeira de Faro, nomeadamente no Monte dos Desamparados onde existem vestígios arqueológicos preservados e uma capela.

Segundo Diogo Filipe Moura, vítima, o ataque aconteceu pelas 17h30 quando seguia com um carrinho com a filha de dois anos.

«Estava a subir a capela do senhor dos desamparados com a minha filha de dois anos, a pé. A meio da subida "principal" fomos abordados por um cão preto de porte grande, do tipo dobermann que nos começou a rondar e a ladrar constantemente. Procurei manter a calma e logo por instinto olhei à volta para ver se via o dono pois o mesmo tinha uma trela mas não vi ninguém», conta a vítima de ataque.

O cão numa primeira investida desistiu, mas voltou ao ataque. 

«Tentei não enfrentar e procurei indicar ao cão para voltar para casa, isto enquanto ia avançando com a minha filha no carrinho. Já perto da subida percebi que estava lá o dono, um rapaz novo à volta dos 20 anos de idade que me pareceu estrangeiro pois falava para o cão numa língua que me pareceu francês. Eu disse ao jovem para se manter perto de mim pois ele chamava pelo cão mas não tinha controlo sobre o mesmo, e enquanto o rapaz ia atrás do cão, ele ia-nos rondando acabando o mesmo por numa das rondas me ter atacado nos gêmeos da perna esquerda enquanto segurava na minha filha», relata Diogo Filipe Moura.

A vítima acredita que foram as calças de ganga que trazia que evitou danos maiores, mesmo assim, no fotografia que mostrou, são visíveis marcas que Diogo Filipe Moura diz serem do ataque do cão.

Aliás, a vítima procura agora identificar o dono e o cão.

«O rapaz meteu a trela ao cão, isto já no topo e perto da capela, enquanto eu me recompunha e acabava a subida com a miúda, o rapaz foi para trás da capela e desapareceu. Honestamente no momento nem me lembrei de tirar fotos nem olhar com atenção para os pormenores pois não contava que o rapaz simplesmente desaparecesse. Como ele foi a pé, acredito que seja alguém de muito perto, pelo que agradeço a quem me possa enviar algum tipo de informação que leve a identificar esta pessoa pois pretendo apresentar queixa na polícia, pois aquele cão nunca poderia estar sem trela ou sem açaime. Se vir a fotografia do rapaz e do cão sou capaz de os identificar», pede Diogo Filipe Moura.

Segundo alguns locais, esta não será a primeira vez que o dono e o cão são vistos no local.

João Garrido refere que também terá sido vítima do algo do género.

« Penso que foi a mesma pessoa que me fez a mesma coisa, o cão em causa é tipo dobermann com as orelhas naturais (caídas) estamos a falar do mesmo .
Esse jovem e o cão costumam passar na rua Alfredo Faria quase todos os fins de semana», afirma.

O E24 contactou as autoridades e até ao momento não há qualquer queixa


Também pode gostar