Têxtil Riopele diversifica negócio para os segmentos militar e automóvel

AvatarRedação , 27 de janeiro, 2022

AFS 9003

A indústria automóvel e os segmentos profissional e militar são duas novas apostas da têxtil Riopele, que encara o setor da mobilidade como um “investimento a longo prazo” e lançou recentemente uma nova marca para este segmento de negócio.

“Estamos a diversificar o nosso negócio para o segmento de têxteis técnicos e a investir em áreas de negócio complementares, como a indústria automóvel e os segmentos profissional e militar”, avança o presidente executivo (CEO) da empresa, José Alexandre Oliveira, citado num comunicado.

Após quase um século de atividade no desenvolvimento de tecidos e vestuário para o setor da moda, a Riopele participou no consórcio que desenvolveu o novo uniforme de camuflagem para as forças armadas portuguesas, no setor militar, e aponta agora como objetivo “expandir a produção para atingir as forças de segurança em todo o mundo”.

No entanto, diz, o investimento mais “significativo” está a ser feito no setor de mobilidade.

“Nesta fase, as nossas ambições passam por introduzir a nossa visão de moda no setor da mobilidade, procurando a aceitação por parte dos fabricantes da nossa estratégia e posicionamento”, explica o gestor responsável por esta área de negócio, João Amaral, também citado no comunicado.

"Realizámos visitas e participámos em reuniões com os principais fabricantes mundiais e aproveitámos para apresentar as nossas propostas para projetos conceptuais e produções em pequena escala”, acrescenta.

Segundo João Amaral, a têxtil de Vila Nova de Famalicão está a introduzir a nível interno “novos métodos e processos que se adaptam a esta exigente indústria”, tendo sido recentemente lançada uma nova marca – a ‘Riopele Textile E-Motion’ – “para promover esta nova área de negócio da empresa”.

O responsável nota que “esta nova área de negócio da Riopele surge num momento em que o setor da mobilidade passa por profundas mudanças”.

Como exemplo, avança a crescente “procura por habitáculos mais confortáveis para os passageiros – “como se fossem uma extensão das nossas salas de estar”, diz -, a par da “incorporação de matérias-primas mais amigas do ambiente e mais diferenciadoras”.

“As decisões de compra dos consumidores serão mais conscientes e exigentes, o que também se traduzirá numa mudança radical para os fabricantes”, antecipa.

O CEO da Riopele destaca que estas novas apostas resultam do “ambicioso plano de investimento, num total de cerca de 35 milhões de euros”, que a empresa efetuou nos últimos oito anos e se focou nas áreas da digitalização e da sustentabilidade.

“Portanto, este é um período para consolidar a nossa posição no mercado e para abordar novos segmentos de produtos”, sustenta José Alexandre Oliveira.

O CEO enfatiza que a têxtil fez, nos últimos anos, “um esforço significativo para se posicionar como uma referência de ‘benchmarking’ na Europa”: “Investimos em tecnologia de ponta como a automação, a eficiência de novos equipamentos, o lançamento de uma plataforma digital, a monitorização do chão de fábrica e a implementação de um sistema de visão artificial na área de tecelagem”, exemplificou.

Adicionalmente, diz, foi também feita uma aposta no “fortalecimento das competências internas, através da otimização de processos".

 


Também pode gostar