×
D-IMO-BANNER.jpg

UMinho estuda vulcão em região com 20 milhões de pessoas

Redação - 24 de fevereiro, 2021

Dois investigadores da Escola de Engenharia da Universidade do Minho definiram um conjunto de estratégias de evacuação face à atividade de um vulcão no centro do México, uma das zonas mais populosas e sísmicas do mundo.

O estudo de Rafael Ramírez Eudave e Tiago Miguel Ferreira saiu na revista científica Geohazards e pretende contribuir para apoiar as decisões das autoridades.

O vulcão Popocatépetl  é um dos mais ativos da América do Norte e um dos dez mais monitorizados e mais populosos do mundo, com cerca de 20 milhões de habitantes. A última maior erupção foi em 2000, levando a uma significativa evacuação das pessoas, e as erupções mais recentes foram em março e abril de 2020. «Para minimizar os impactos negativos nas povoações da atividade daquele vulcão, há cartografias de perigo e sistemas de alerta com cores, entre outros meios. Porém, estas ferramentas não incluem, por exemplo, ações pró-ativas de moradores que reagem antes dos avisos oficiais», nota Rafael Ramírez.

No estudo agora publicado, dá o exemplo da aldeia de San Pedro Tlalmimilulpan, que está suscetível a efeitos das emissões de cinzas vulcânicas logo no início de uma possível evacuação. Isso pode levar à falha do plano de emergência. Os investigadores da UMinho criaram então “árvores de falhas”, agregando os itens sensíveis para fins de evacuação, como boa disponibilidade de acessos, de viaturas, de abrigos e de redes de comunicações, água e luz.

O trabalho antecipou cadeias de eventos negativos e dificuldades na resposta pós-evento. Notou-se, em particular, que a falha dos serviços de comunicações tende ao “insucesso imediato” da ação.

Os cientistas sugerem ainda o envolvimento contínuo de peritos de vários saberes para uma análise complexa e precisa para cada povoação e tipo de situação, associando aspetos como os índices de risco para áreas vulneráveis, a distribuição da população e o histórico de evacuações.  

  • PARTILHAR