Barcelos: Fardo de palha à porta de supermercado em forma de protesto

AvatarRedação , 12 de novembro, 2021

Captura de ecra 2021 11 12 as 11.12.36

Os produtores de leite colocaram hoje um fardo de palha à porta de um supermercado em Barcelos, em protesto contra os “preços baixos” pagos ao agricultor, anunciou hoje uma associação do setor.

Em comunicado, a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) refere que a ação decorreu em Barcelos por aquele ser o concelho maior produtor de leite no país.

“Com esta ‘oferta’, queremos protestar contra os preços baixos do leite, alertar para o aumento dos custos de produção que nos estão a arruinar e desafiar o Pingo Doce a dar o exemplo, parando com a desvalorização do leite e pagando um preço justo aos agricultores”, acrescenta.

A APROLEP diz que os produtores estão a suportar, desde 2020, aumentos entre 20 a 30% no preço da ração e mais recentemente nos restantes fatores de produção, como a eletricidade, os combustíveis e os adubos, cujo preço já está acima do dobro em relação ao verão.

No entanto, acrescenta, só em outubro é que conseguiram um “pequeno aumento” de 1,5 cêntimos por litro de leite das principais indústrias.

“É um valor insuficiente. Precisamos de mais cinco cêntimos de aumento com urgência, com o objetivo de atingir 40 cêntimos por litro de leite pago ao agricultor”, reclama a associação.

Diz ainda que os agricultores que fornecem o Pingo Doce “tiveram um aumento inferior, apenas um cêntimo, apesar de o grupo Jerónimo Martins ter uma fábrica onde transforma o leite e embala as suas marcas próprias, o que lhe permite controlar todo o percurso do prado à prateleira do supermercado”.

Por isso, considera a associação, o Pingo Doce “não pode desculpar-se com outras indústrias pelo preço baixo que os seus fornecedores recebem”.

“É um preço injusto, que não permite pagar os atuais custos de produção. Sabe mal receber tão pouco”, lê-se ainda no comunicado.

Assim, a APROLEP desafia o Pingo Doce a “parar com as promoções que desvalorizam o leite e ser o primeiro a pagar um preço justo aos agricultores”.


Também pode gostar