Esposende: BE quer consulta pública para decidir onde deve ser aplicada a "bazuca europeia"

AvatarRedação , 1 de setembro, 2021

farol 1

O Bloco de Esquerda (BE) de Esposende disse a este jornal que defende a auscultação pública dos cidadãos esposendenses sobre os projetos a apresentar ao Plano de Resiliência e Recuperação (PRR).

«E se discutíssemos a "bazuca europeia"? A aplicação do PRR, popularmente conhecido como a "bazuca europeia", passará em grande medida pelo poder autárquico», justifica o BE para afirmar a posição da consulta e discussão pública dos projetos a serem apresentados pelo município.

«Contribuindo para a salutar participação dos cidadãos, e garantindo transparência e a representatividade, como a abertura de um período de apresentação de projetos/propostas por parte da sociedade civil para posterior análise e discussão. Às autarquias caberá descarbonização dos transportes públicos, em certos investimentos sociais, como os cuidados de saúde primários, em estreita ligação com outros atores, como as misericórdias, mutualidades, IPSS, e, em especial, o financiamento a custo zero no acesso à habitação, designadamente através do programa primeiro direito a executar de forma contratualizada. Dentro do PRR também teremos a hipótese de apoios à floresta, eficiência energética e renovação de espaços culturais e do património cultural», afirma o BE de Esposende.

Ora, para os bloquistas estas são «mais que razões» para uma discussão pública, mesmo sabendo, e como afirmam, que «este PRR é insuficiente e que diversas outras áreas deveriam ter sido abrangidas, como a área do turismo/pequeno comércio, entre outras, fortemente afetadas com a pandemia».

«Mas mesmo assim, não poderemos deixar passar esta oportunidade de revitalizarmos o concelho de Esposende. Não acompanhamos o rumo concelhio atual, na qual o PRR é insuficiente por não poder ser usado para pagar as obras já apresentadas/projetadas pelo CME, uma visão perigosamente acomodada e que confunde investimento camarário e investimento europeu. Queremos ação, queremos discutir e usar o PRR, mesmo que isso implique suor e esforço acrescido, mas as futuras gerações esposendenses vão agradecer», destacam


Também pode gostar