Esposende: Benjamim Pereira sente-se «perseguido» por casos da PJ e tribunais

AvatarRedação , 13 de junho, 2021

gandra 1

O presidente da Câmara de Esposende falou hoje em «autêntica perseguição que está a ser feita ao executivo e à sua pessoa», nomeadamente pelas «constantes queixas apresentadas junto da PJ e do Ministério Público, Tribunal de Contas e Inspeção Geral de Finanças».

À margem da inauguração de uma intervenção numa rua de Gandra, que já valeu violentas críticas do PS de Esposende,  Benjamim Pereira referiu que os casos só servem «para criar entraves até na vida privada das pessoas, o que denota uma total incapacidade e falta de argumentos políticos».

«Já em termos de propostas para melhorar o concelho são pessoas sem ideias que passam mandatos sem apresentar projetos», disse.

O autarca esteve em Gandra para a inauguração obra da avenida de São Martinho em Gandra, um investimento de cerca de um milhão de euros, totalmente suportado pelo Município de Esposende e permitiu promover a requalificação urbana desta importante via. O edil admitiu atrasos na obra e até pedir desculpa.

«Mais que engrandecer a nossa obra, estou aqui para explicar como decorreu o processo e, apesar de não ser nossa responsabilidade, pedir desculpa à população pelo atraso da obra. O atraso ficou a dever-se ao incumprimento por parte da empresa que venceu o segundo concurso público e, nesse processo, a Câmara Municipal não tem ter qualquer interferência, limitando-se a cumprir as regras do Código da Contratação Pública», disse, referindo que «esta foi uma obra sempre adiada, porque implicava que a totalidade do suporte financeiro fosse assegurada pela Câmara Municipal».

«Não houve ajudas comunitárias e por isso, trata-se de uma obra que teve de ser bem ponderada, tendo sido indicada pela Junta de Freguesia como a obra prioritária», justificou, apontando já para outras intervenções a fazer na freguesia, como o alargamento do cemitério e a construção da casa mortuária, além da pavimentação de vias.

 


Também pode gostar