▶️ Esposende: Luís Peixoto quer "subir fasquia", passar a ponte e conquistar "15 freguesias"

AvatarNuno Cerqueira, 1 de agosto, 2021

ps LP 124

Com "Foco nas 15 freguesias". Foi assim que Luís Peixoto, candidato do PS à Câmara de Esposende, se apresentou ontem no Cortinhal, na Vila de Fão.

Com um discurso pautado por sucessivos exemplos "do saco de boxe", como apelidou, que são os presidentes de junta das freguesias do concelho, Luís Peixoto discursou ao longo de quase 1h30. Servindo-se do exemplo do que é ser líder autárquico da UF de Apúlia e Fão, o candidato denunciou sucessivas «manipulações» por parte da liderança de Benjamim Pereira que se serve das freguesias para fazer «política baixa».

«Tenho colegas meus, presidente de junta, que me dizem que se as eleições fossem hoje não ganhavam porque não conseguem fazer nada. Porquê? As decisões neste concelho não passam pelo presidente de junta ou vereadores. Passam por uma pessoa, que apesar de ter cara de simpático mas não faz nada, tem todo o prazer de transformar as freguesias em saco de boxe. Estamos a falar de juntas e presidentes da cor do Benjamim Pereira. Este presidente de Câmara parou o concelho porque tem tudo centrado nele», frisou, dando ainda nota da dificuldade que as juntas têm em conseguir ter uma reunião com o presidente do Município.

«Estamos a falar de meses por vezes», destacou.

Aliás, Luís Peixoto tem mesmo o "foco" nas juntas, e denunciou o amiguismo e política da pedra, saco cimento e uma lata de tinta.

«Os presidente de junta deste concelho, excepto eu, são submissos. Mas também é verdade que se abrem a boca numa assembleia municipal depois, no dia seguinte o paralelo não chega, a lata de tinta não vem ou saco de cimento. O concelho não funciona, pois há política do amiguismo. O presidente da Câmara tem mesmo funcionários, os famosos debloqueadores, que andam a mando dele, num carro e uma fita métrica da câmara para desbloquear a lata de tinta e do saco de cimento, de forma a condicionar as freguesias. Assim o concelho não tem futuro e não funciona», criticou, deixando mesmo no ar que a campanha que vai fazer vai abanar o concelho.

Da equipa que o vai acompanhar, e à semelhança do PSD, também não revelou, mas justificou-se pelo facto da candidata à UF de Apúlia e Fão, ser filha sua, assim como o candidato à UF de Esposende, Marinhas e Gandra, ser filho do candidato à Assembleia Municipal, Tito Evangelista.

 

«Estão onde estão não por ser filhos de quem são, mas sim por competência, têm valor, muita experiência. No caso da minha filha, desde há 18 anos que a minha filha anda nisto e só tem 24 anos de idade. Os nossos jovens, Ania e Tito, fazem parte de um grupo de jovens que tem muito futuro e que vão conseguir dar um rumo ao nosso concelho», frisou.

Presente também na cerimónia estiveram a secretária de Estado das Pescas e Mar, Teresa Coelho, que destacou as obras de desassoreamento que vão avançar no rio, assim como os deputados socialistas Joaquim Barreto e Palmira Maciel, que denotam confiança na liderança de Luís Peixoto.

Já Tito Evangelista, candidato à Assembleia Municipal pelo PS, frisou mais uma vez que quer «descentralização das assembleias», assim como meios tecnológicos para transmissão pelas redes sociais e canais da autarquia via streaming.

Já quanto aos candidatos às juntas, o PS apresentou Anabela Lajoso em Antas, Ânia Peixoto na UF de Apúlia e Fão. Em Belinho e Mar apresentou Alexandrina Lima e na UF de Fonte Boa e Rio Tinto o candidato Joaquim Oliveira. Pedre Durães Leite é o candidato em Gemeses e na UF de Esposende, Gandra e Marinhas Tito Guilherme Evangelista.


Também pode gostar