Esposende: Carlos Cruz esteve no magusto do PCP e atacou o PS

AvatarRedação , 16 de novembro, 2021

Captura de ecra 2021 11 16 as 08.48.06

Carlos Cruz, membro do Comité Central do PCP e da Direção de Organização Regional de Braga e dirigente sindical do SITE-Norte, esteve em Esposende no magusto do PCP e não fugiu aos esclarecimentos atuais da política nacional.

Na iniciativa que teve lugar no espaço Proriver e contou com a participação de mais de duas dezenas de militantes e amigos, Carlos Cruz referiu que a situação política atual é uma opção do PS, pois não quis alterar Orçamento de Estado, «apesar dos graves problemas do país exigirem soluções que não se podem adiar», disse.

«Num momento em que os apoios económicos da comunidade europeia estão a caminho, o PS opta por rejeitar as propostas do PCP, nomeadamente o aumento do Salário Mínimo Nacional para 850 euros, o aumento extraordinário de todas as reformas, bem como a eliminação de penalizações e reposição da idade da reforma, a revogação das normas gravosas da legislação laboral, a defesa do Serviço Nacional de Saúde, a redução do preço da energia e controlo dos preços dos combustíveis, a alteração à Lei do arrendamento para garantir o direito à habitação, o fim ao apoio público às empresas sedeadas em off-shores, a universalidade das creches gratuitas e a defesa da Escola Pública», frisou Carlos Cruz.

O dirigente comunista disse ainda que a situação do país «só não é mais grave porque a luta dos trabalhadores e a intervenção decisiva do PCP permitiram garantir o pagamento dos salários por inteiro aos trabalhadores em situação de lay-off, o aumento de reformas, apoios às pequenas e médias empresas, à cultura e apoios aos transportes, nomeadamente com medidas como os passes sociais».´

«O PCP esteve e estará sempre ao lado dos trabalhadores, todos os dias e não só com palavras pré-eleitoralistas. É na força do PCP, não nas opções do PS ou nos projetos
reacionários do PSD e CDS e dos seus sucedâneos, que se encontra a solução dos problemas nacionais», apontou o dirigente comunista terminou apelando à participação na manifestação organizada pela CGTP, no próximo dia 20 de novembro, em Lisboa.

 


Também pode gostar