Esposende: Projeto deteta em três anos 270 alunos com necessidade de terapia da fala

AvatarRedação , 13 de maio, 2021

terapia da fala 1

Ao longo dos seus três anos de vigência, o projeto municipal de Combate ao Insucesso Escolar - Rumo ao Sucesso -  da Câmara de Esposende rececionou 270 identificações de alunos de diferentes graus de ensino, desde o 1.º Ciclo do Ensino Básico ao Ensino Secundário/Profissional, que frequentam estabelecimentos públicos de educação/ensino do concelho, com necessidades de intervenção ao nível da Terapia da Fala.

«A valência de Terapia da Fala do Projeto Rumo ao Sucesso tem identificado, avaliado e intervencionado, de acordo com as áreas alvo definidas no âmbito do projeto, competências linguísticas que influenciam a aprendizagem e o desempenho na leitura e na escrita», confirma a autarquia em nota de imprensa.

Ao nível do 1.º Ciclo do Ensino Básico (CEB), os professores têm reportado a existência de muitas dificuldades nas áreas de comunicação, linguagem e fala nos seus alunos, dando também nota de uma escassa resposta, na comunidade, a estas necessidades de intervenção.

«Relativamente aos alunos do 1.º ano, aplicou-se o instrumento RALF – Rastreio de Linguagem e Fala a 247 alunos (87,6% dos alunos matriculados no 1.º ano) que apresentam o português europeu  como língua materna. Destes, constatou-se que 87 deverão ser encaminhados para uma avaliação especializada em Terapia da Fala. Quanto aos alunos dos 2.º, 3.º e 4.º anos, obtiveram-se informações sobre o número de alunos com necessidades de acompanhamento em Terapia da Fala, através da aplicação de questionários dirigidos aos professores. As respostas obtidas indicam que, atualmente, 99 alunos beneficiariam de intervenção: 61 já se encontram em acompanhamento (dos quais 25 pelo Projeto Rumo ao Sucesso) e 38 não têm resposta a esta necessidade», lê-se na nota de imprensa.

Com a realização deste estudo de levantamento de necessidades, a Câmara de Esposende verificou que, pelo menos 186 alunos do 1.º ciclo (87 do 1.º ano e 99 dos 2.º, 3.º e 4.º anos), beneficiariam com a avaliação/intervenção nesta valência.

«Uma intervenção nos alunos com problemáticas já detetáveis, com caráter mais preventivo, possibilitará a reversão ou atenuação dos seus efeitos, contribuindo para a inclusão social e para a promoção do sucesso educativo», vaticina a autarquia esposendense.


Também pode gostar