▶️ PS e CDS-PP criticam novo concurso para obra no Canal e Benjamim justifica

AvatarNuno Cerqueira, 25 de fevereiro, 2021

IMG 5406

A secção concelhia de Esposende do Partido Socialista (PS) indignou-se com o anúncio da abertura de um concurso para a empreitada de conclusão do Canal Intercetor de Esposende anunciado pela Câmara liderada pelo social-democrata Benjamim Pereira.

O líder da concelhia, em nota à imprensa, refere que «este novo concurso está estimado em 636 mil euros depois de já ter custado mais de cinco milhões de euros, aquilo a que pomposamente chamam de “Canal”».

«Vai “afogar” mais de meio milhão de euros, sendo que este valor será suportado, exclusivamente, pela Câmara. Trata-se de uma obra que sempre questionámos e cuja eficácia está por provar,
constituindo o anúncio ora efetuado um atestado de incompetência à Câmara, que não soube incluir na empreitada inicial, participada pelos fundos comunitários, todas as obras necessárias», diz o líder da concelhia socialista, Tito Evangelista.

«Um presidente da câmara que é incapaz de dar resposta às necessidades mais básicas da população, que não realiza pequenos arranjos em vias onde residem pessoas, algumas das quais onde não pode aceder uma ambulância, que em oito anos de presidência não efetuou nenhuma das obras estruturantes previstas no PDM: zonas industriais, variante de Esposende, conclusão da variante de Apúlia, variante de Fão, ligação da A28 a Forjães, que recebeu do Estado o Forte de S. João e a Estação Rádio Naval de Apúlia, e os tem ao abandono, para já não falar do “Edifício Pérola” que comprou no anterior mandato e o tem a cair em plena zona nobre de Apúlia, só a título de exemplo, vai gastar mais de 600 mil euros, na obra de abertura de um rego em volta de Esposende, que já consumiu a caminho de seis milhões de euros», afirma ainda o socialista.

Também o CDS-PP, através de Artur Viana manifestou críticas ao investimento.

«Como é possível numa obra de grande dimensão e com um custo já elevado não estar previsto no seu plano de execução os melhoramentos que agora vão obrigar a Câmara Municipal a gastar mais 650 mil euros? Ou será para mais “ajustes” com a empresa DST!Este investimento é mais um sinal de desgoverno e falta de planeamento que se verifica no atual executivo liderado  por Benjamim Pereira. Numa altura de pandemia que está a causar grandes dificuldades a empresa às famílias (quando temos grupos de cidadãos a angariar mantimentos para famílias do nosso concelho) o senhor presidente da Câmara anuncia duas obras no valor que superam um milhão de euros», afirma Artur Viana. 

Ora, este jornal questionou o presidente da Câmara de Esposende, que desvaloriza as críticas e refuta qualquer polémica em torno do assunto.


«Estamos a falar de pequenos acertos nas obras. Quando o canal foi pensado, o objetivo foi resolver um problema concreto de inundações de Esposende do que para o usufruto das pessoas, apesar de isso estar subjacente. O canal ainda não está pronto e já percebemos que há centenas de pessoas a caminhar ali, já se percebeu que há uma evolução. Nós ainda estamos em tempo de melhor essas condições para o usufruto. Não íamos fazer isso? Vamos alargar alguns caminhos, promover segurança, pois ali também circulam veículos agrícolas, e resolver exigências da Infraestruturas de Portugal, entre outros», disse o autarca, reforçando duas ideias: «ficamos satisfeitos com a saúde financeira do Município que pode resolver isto com verba própria e estamos aqui para responder à oposição».

PS: NOTICIA ATUALIZADA ÀS 23h51 com posição do CDS-PP


Também pode gostar