PSD refuta acusações de Tito e lembra que o Governo socialista investiu zero em Esposende

AvatarNuno Cerqueira, 31 de janeiro, 2021

PSD Esposende Masc 1

O Partido Social Democrata (PSD) de Esposende afirma que o Partido Socialista (PS) de Esposende está desesperado e afirma mesmo que a «hipocrisia e o populismo se apoderam» dos socialista.

Estas críticas surgem depois de uma nota de imprensa assinada por Tito Evangelista (ver aqui) que dão conta de fortes críticas ao executivo liderado por Benjamim Pereira face ao anunciado investimento de um milhão de euros no combate à pandemia. Tito Evangelista acusou mesmo de «falso» o anunciado investimento, desafiando ao mesmo tempo o líder social-democrata, Benjamim Pereira, para debate público.

O PSD começa por refutar a acusação do PS e lembra que «o valor em questão, considerando isenções e apoios diretos atinge mais de um milhão de euros investidos no combate a esta pandemia».

«Quanto ao resto, é do domínio público as muitas e assertivas medidas tomadas e os muitos apoios dados às instituições, empresas e pessoas mais desfavorecidas, que inclusive foram secundados por outros municípios. Gostaríamos era de ver o PS de Esposende preocupado e a pedir ao Governo do seu partido para ajudar o município de Esposende, que ainda não viu um cêntimo dos apoios que tanto prometeram para o combate à pandemia», crítica o PSD de Esposende.

Quanto a debates, a concelhia do PSD "deu troco" e refere que «é importante que o povo de Esposende saiba que no local onde o líder do PS tem assento é na Assembleia Municipal (AM)».

«Isto porque os esposendenses não deram ao PS de Esposende representação na Câmara», dizem, afirmando mesmo que no que concerne à AM, Tito Evangelista «foge permanentemente ao debate não intervindo no momento de discussão dos assuntos, refugiando-se nas declarações de voto».

«Faz isto porque não está preparado para debater os assuntos com o presidente Benjamim Pereira, numa clara incapacidade, e sabe que, no final, pode dizer o que bem entender nas declarações de voto, pois estas não estão sujeitas a contraditório. Para quem clama por um debate, não deixa de estar a praticar uma cobardia política ao ter esta atitude, altamente reprovável e antidemocrática, e diga-se que tal não era praticado na Assembleia Municipal, pelo menos, desde 2005. Um comportamento, ou uma ratice política, que certamente terá trazido de outros tempos, de outras vidas na política local, mas que está desajustada dos tempos atuais», lê-se na nota de imprensa num tom severo e de duras críticas.

Mas o PSD vai mas longe, denunciando aquilo que chama de uma «constante luta do líder da bancada do PS para impedir o presidente Benjamim Pereira de falar tentando limitar o seu tempo com constantes interpelações junto do presidente da Assembleia Municipal».

«Pelos vistos, o debate que quer e advoga é um debate em que só ele pode falar e os outros têm que ouvir sem poderem manifestar os seus pontos de vista e defender as suas propostas», frisa o PSD.

A concelhia "laranja" diz no entanto que os debates «surgirão se forem considerados um contributo para o esclarecimento dos munícipes», mas «no momento próprio».

«Até lá, há que lidar com o respeito pelos resultados das eleições autárquicas de 2017 e aí o PS de Esposende foi brindado com um resultado desastroso. Neste momento o PS de Esposende não vale aquilo que o seu líder pensa, vale aquilo que o povo decidiu que vale, e por este caminho e com estas atitudes que fazemos questão de denunciar, valerá cada vez menos», da nota o PSD de Esposende, lembrando que em questões de debate «foi precisamente este partido que propôs uma assembleia sem intervenções políticas, pois sabia que ia ser apresentado e discutido o melhor orçamento de sempre da Câmara Municipal, mesmo num contexto tão adverso como o atual».

«Para quem tanto quer debater, há aqui uma clara contradição», lê-se na nota de imprensa.

 


Também pode gostar