Atletismo: 21 anos e 1000 corridas depois, José Sousa mantém a mesma paixão pelo desporto

AvatarPedro Gomes , 5 de janeiro, 2022

270949 441498779207701 1716695781 n

Tudo começou em Março de 2000. Através do convite de um amigo, José Sousa entrou no mundo das corridas e ainda hoje lá permanece. São 1000 provas oficiais (marca atingida no mês passado na corrida de São Silvestre, em Famalicão), nacionais e no estrangeiro, que se dividem entre estrada, montanha, piso misto, praia, cross, pista, escadas, orientação, duatlo e trialo.

Desde os «Amigos de Queluz», o «Clube de Futebol os Avisenses» (primeiro clube federado), passando pela «Associação de Atletismo Lebres do Sado», até chegar ao atual clube, o «Casa Do Benfica de Algueirão Mem Martins». A nível de troféus, contribuiu para diversos títulos coletivos nos corta matos curtos e longos bem como nos Campeonatos Nacionais de Meia Maratona e Maratona e refere que pretende correr «até que a saúde o permita»

«Continuo a querer estar envolvido nos eventos desportivos de corrida até que a saúde o permita, sempre nesta vertente de entre ajuda e diversão na corrida pois também por diversas vezes faço as corridas mascarado ou caracterizado ao momento do evento. Continuar a valorizar as amizades e conhecimentos que fazemos antes durante e depois dos eventos», disse. 

As lesões e a ajuda ao amigo invisual

Naturalmente, uma vida ligada ao desporto desta forma também traz as suas consequências. Apesar de admitir ser um pouco «calão» em relação aos treinos, as «mazelas da vida» como José Sousa lhe chama, vão desde quatro hérnias discais, desvio na cervical, joanetes massacrados e operações aos dois meniscos levaram o atleta «a repensar não a quantidade mas a intensidade com que fazia as provas», pois o corpo não é de ferro. 

Incapaz de se afastar deste 'vício', ainda assim, agora as prioridades são outras e José Sousa e uma dessas prioridades passa por ajuda o amigo Hilário Ramos, que é um atleta invisual mas, ainda assim, também partilha da paixão pelas corridas. 

«Agora continuo a fazer mas se tiver de acompanhar alguém para alcançar um objetivo dou prioridade ou mesmo fazer de guia ao amigo Hilário Ramos que é invisual mas um apaixonado pela corrida e pelos desafios e vai para o 4º ano que o faço. Julgo tê-lo guiado em cerca de 10 provas desde as mais pequenas como os escadórios do Bom Jesus (realizados por mim) até à Meia Maratona», referiu. 

José Sousa destaca a importância do desporto e aquilo que significa para ele, sendo uma forma de abstração da vida e que naquele momento «somos todos iguais e estamos todos a tentar fazer o mesmo, alcançar a mesma meta o que é fantástico, sem partidos ou religiões, sem divergências ou opiniões». 

Por fim, o atleta deixa um desejo para o futuro. 

«Se gostava de fazer mais 1000 gostava mas sei que seria pedir o impossível, podem ser só mais 500», disse em tom de brincadeira. 

 


Também pode gostar