×
IMG-20201226-WA0001.jpg

Coordenada Decimal reduz a "zero" afogamentos nas praias do Minho

DRE_728x90.jpg

Nuno Cerqueira - 24 de setembro, 2020

A Coordenada Decimal fez hoje, a este jornal, um balanço «muito positivo da época balnear» nas praias de mar da costa do Minho.

Esta associação sem fins lucrativos teve zero afogados nas praias onde esteve com nadadores salvadores.

«Apenas tivemos uma situação que infelizmente terminou no afogamento de um jovem (ver aqui) mas numa zona não vigiada e no rio Cávado, no Marachão, onde fomos chamados a assistir», revelou Pedro Verne, operacional responsável da Coordenada Decimal.

Esta associação (ver aqui) vigiou todas as praias do concelho de Viana do Castelo e esteve também em quatro praias do concelho de Esposende, assim como esteve em pontos de vigia em Moledo e Vila Praia de Âncora, concelho de Caminha.

«Tivemos também um posto móvel num plano integrado de vigilância na praia dos Caldeirões. Felizmente em todas as nossas zonas o balanço é extremamente positivo», destaca Pedro Verne.

Quanto a assistências a veraneantes foram centenas, mas Verne recorda um dia em que os nadadores salvadores retiraram do mar 15 pessoas aflitas. Aconteceu em Viana do Castelo.

«A cultura e educação do banhistas continua a ser um dos problemas de fundo nos veraneantes. As pessoas continuam a desobedecer a quem está a vigiar, arriscam e maioria da vezes insistem em zonas sem vigia», frisa Pedro Verne, dando conta que 85 % das ocorrências de assistências a banhistas são em, zonas não vigiadas.

A Coordenada Decimal manteve um dispositivo nas praias do Minho de cerca de 60 nadadores salvadores, maioria oriundos do distritos de Braga e Viana do Castelo, mas também de outros ponto do país como da região sul, nomeadamente de Lisboa que fazem no Minho serviço.

Apesar da época balnear ter terminado a 13 de setembro, esta associação manteve vigilância na praia do Cabedelo, muito procurada por surfistas.

«Julgo que devia existir uma maior vigilância nas praias, mesmo fora de época. Pois, na minha opinião, o investimento permanente de nadadores salvadores nas praias da costa portuguesa sai mais em conta do que aquele que é empregado quando é preciso um resgate de pessoas do mar», vaticinou Pedro Verne.

  • PARTILHAR