Detetadas bactérias patogénicas na água das praias de Ofir e Afife

AvatarRedação , 25 de junho, 2020

ofir praia DR 1

Investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), no Porto, tornaram hoje público terem detetado bactérias patogénicas, algumas até resistentes a antibióticos, nas águas de praias balneares do Norte do país, que acreditam serem impulsionadas pelas alterações climáticas.

A praia do Ofir, situada na Vila de Fão, concelho de Esposende, é uma das dessas praias, assim como a praia de Afife em Viana do Castelo.

Numa publicação no ‘site’ da Universidade do Porto, o gabinete de comunicação do ICBAS afirma que os resultados foram obtidos no âmbito do projeto BeachSafe, que estuda a presença de agentes microbianos em 10 praias do Norte: Afife, Ofir, Póvoa do Varzim, Árvore, Matosinhos, Salgueiros, Aguda, Paramos, Cortegaça e São Jacinto.

«Em águas balneares do Norte de Portugal, classificadas como excelentes para banhos de acordo com a legislação em vigor, foram detetadas bactérias do género vibrio, algumas patogénicas para o ser humano, inclusive resistentes a antibióticos», lê-se na publicação.

Segundo o ICBAS, as alterações climáticas, nomeadamente o aumento da temperatura, variações da salinidade e concentração de partículas na água, “parecem ser responsáveis” pela propagação destas bactérias, que representam “um risco não contabilizado para a saúde pública”, dado que a avaliação oficial é feita tendo por base indicadores fecais.

«O número de infeções relacionadas com a água balnear em todo o mundo, incluindo na Europa, tem vindo a crescer nos últimos anos», refere o instituto da Universidade do Porto, acrescentando que grande parte dos casos se associa a «bactérias autóctones» e «vírus entéricos».

«A maioria dos casos está associada a bactérias autóctones que encontram condições favoráveis para se propagarem, devido às alterações climáticas, ou a vírus entéricos, em resultado das descargas de águas residuais brutas ou deficientemente tratadas», esclarece o ICBAS.

O projeto BeachSafe, liderado por investigadores do Laboratório de Hidrobiologia e Ecologia do ICBAS, é cofinanciado pelo programa COMPETE2020, Portugal 2020, pela União Europeia através do FEDER e pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

 


Também pode gostar