PJ deteve foragido do assalto violento ao Museu do Ouro em Viana

AvatarRedação  . 

museu ouro

A Polícia Judiciária (PJ), através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, procedeu ontem à detenção de um cidadão da Póvoa de Varzim sobre o qual recaia um mandado de detenção devido ao assalto ao "Museu do Ouro" em Viana do Castelo

«Homem condenado no Tribunal de Viana do Castelo, pelo cometimento de um crime falsificação ou contrafação de documento, dois crimes de homicídio qualificado (na forma tentada), três crimes de ofensa à integridade física qualificada, um crime de detenção de arma proibida e um crime de roubo», confirma a PJ

Os factos reportam-se a setembro de 2007, quando um grupo de indivíduos fortemente organizado e armado, irrompeu pela ourivesaria “Museu do Ouro”, em Viana do Castelo, ali tendo procedido à subtração de objetos em exposição, cujos prejuízos foram quantificados em várias centenas de milhares de euros.

Tendo a investigação sido desenvolvida por este Departamento de Braga da Polícia Judiciária, uma vez acusados, o grupo de cinco indivíduos foi julgado e condenado em penas de prisão superiores a 19 anos, reduzidas para 14 anos e 6 meses em sede de recurso para os Tribunais Superiores.

O indivíduo em causa, natural de Paços de Ferreira, com 39 anos de idade, considerado perigoso e violento, encontrava-se em ausência ilegítima da cadeia galega de A Lama, da Província de Pontevedra, depois de lhe ter sido concedida saída precária, em 2017, da qual não regressou.

O indivíduo, conhecido como "O Comando", foi evado para o Estabelecimento Prisional de Vale do Sousa, em Paços de Ferreira.

Durante o roubo, um dos assaltantes foi morto e um homem, que se encontrava numa paragem de autocarro, ficou paraplégico ao ser atingido por uma bala perdida.

Dos cinco assaltantes condenados, "Comando" era o único que se encontrava foragido da justiça portuguesa. Após o assalto fugiu para Espanha, onde agrediu polícias, em Vigo, e foi condenado por tráfico de droga.

 


Também pode gostar